3 momentos

photo by dan

Certa vez, um jovem samurai procurou Miyamoto Musashi, mestre do manuseio das 2 espadas e lhe pediu para que o ensinasse as artes de um bom espadachim.

– Sim, serei teu mestre. Primeiro, irás buscar água no riacho atrás daquele morro para beber, tomar banho, cozinhar o arroz e regar a horta.

Durante 2 anos, o jovem samurai foi buscar água 5, 6, até 7 vezes por dia para aquelas tarefas cotidianas.

Um dia, indagou ao mestre:

– Sensei, perdoai a minha ousadia, mas eu não deveria ir para uma nova etapa?
– Tens razão. Vamos ao dojo.

Havia um tatami preenchido com cascas de arroz no centro. As paredes estavam enfeitadas com exercícios de caligrafia.

– Andarás em torno do tatami, bem na beirada, pé ante pé, o dedão de um encostado no calcanhar do outro. Vinte e cinco voltas, depois mais vinte e cinco carregando os baldes cheios d’água de manhã. À tarde repetirás o que praticaste, mas no outro sentido.

Assim fêz o jovem aprendiz durante um ano.

O mestre, após este treino, ordenou:

– Venha comigo.

Seguiram uma longa trilha que os levaram à beira de um profundo rio, onde havia apenas um tronco caído para atravessá-lo.

– Meu caro, terás que caminhar sobre ele para completar teu treino.

Um frio percorreu a espinha do jovem e o fêz recuar.

Ao longe ouviu-se o som de uma bengala vindo da estrada. Um cego seguia a trilha e avançou pela ponte, guiado pelo seu tatear com a bengala.

O jovem samurai comentou:

– Ah, se ele consegue, por que não eu?

Assim o fêz.
– O cego, diante da sua condição, fortaleceu seu espírito e superou suas dificuldades.
– Queres dizer, mestre, que preciso estar cego para poder conseguir me superar?
– Cego já estavas, de algum jeito, pois ao teu foco não vislumbravas. Teus medos afloraram, é natural, faz parte da prudência. Mas não os deixe paralisar-te. Vê-te: equilíbrio e força tu os tens pelos baldes que carregastes. Isto é tai.  Wasa é a técnica: andar em volta do tatami ensinou-te como atravessar o rio. Por fim, passaste a enxergar com os olhos da mente, a abstrair as distrações e as ilusões e agiste: isto é o shin.


Shin, wasa, tai: em harmonia, de acordo com as estações.

(Baseado nos escritos de Taisen Deshimaru – “The Zen Way to the Martial Arts”)

Sobre insilicium

Tenho formação em Exatas, basicamente em Física. Atuo no ramo de TI e busco trabalhar com ciência. Não dispenso a arte, seja visual ou sonora.

Publicado em novembro 2, 2011, em filosofia, história e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: